Comunicação

Notícias

Como está a rotina da Família Lecco Bertolini durante o isolamento?

A família Lecco Bertolini conta como vem se adaptando ao isolamento social devido à pandemia do coronavírus. Mãe da Clara, de 4 anos, e da Beatriz, 7, a psicóloga Luciani Lecco conta que as regras da casa continuam as mesmas, contudo, afirma: “Tenho trabalhado com uma rotina mais flexível, entendendo as necessidades de cada um dentro de casa. As meninas estão super parceiras, respeitando as vontades uma da outra. Claro que existem conflitos, mas elas estão aprendendo a lidar com isso. Meu marido está fazendo home office duas vezes na semana e, assim, venho conseguindo organizar minha agenda de atendimentos online”. 

A mãe salienta que a importância das instituições de ensino, nesse momento, fica ainda mais evidente. Luciani chama a atenção para o convívio e a aprendizagem dentro do ambiente escolar: “Ainda que tenhamos uma quarentena tranquila, nada substitui a escola. As experiências de trocas com a professora e com os colegas vividas no ambiente escolar são uma perda irreparável. A Clara está sentindo muita falta”.

Saúde emocional

Luciani relata que, a princípio, a família passou por alguns momentos de ansiedade, pois precisaram administrar muitas informações e incertezas que surgiram no âmbito familiar: “Por isso, conversamos muito com nossas filhas sobre o que estava acontecendo e sobre o que elas estavam sentindo” – reiterando a importância da escuta aos pequenos. Além disso, ela conta que, junto ao esposo, vem encarando alguns desafios para se organizar e viver diversos papéis em um só espaço e período: “Não vou dizer que é fácil, pois requer muito esforço e tem dias que bateria da gente fica esgotada, mas tudo bem! Vamos nos equilibrando. Creio que a palavra ‘resiliência’ faz todo sentido nesse momento”. 

A psicóloga acredita que as crianças possuem uma plasticidade e capacidade de adaptação maiores do que as dos adultos, contudo, afirma que não se deve negligenciá-las: “Não devemos deixar de cuidar e perceber como as crianças estão vivendo esse momento, que não deixa de ser estressante para elas também” e alerta que é preciso ficar atento aos comportamentos de agitação, choro fácil e sono perturbado, que são consequências do isolamento social. 

A mãe reitera um ponto fundamental para ser exercitado nesse momento: “A convivência mais intensa e a troca de afeto são o que mais nos alimentam e nos ‘equilibram’ nesse momento complicado”, conclui Luciani. 

É preciso perceber que, em um cenário delicado como esse, não existe uma receita exata a ser seguida. Cada família tem sua cultura e rotina, dispondo de recursos próprios para se adaptar à nova e temporária realidade.

Clique aqui e veja como a família Lírio está organizando o tempo em casa durante o isolamento com o trabalho.

Talita Vieira.